DETERMINAÇÃO DA COMPOSIÇÃO DE MATERIAIS

A PARTIR DE FLUORESCÊNCIA INDUZIDA POR RADIAÇÃO GAMA

       Ao ser espalhado inelásticamente, o fóton retira o elétron do átomo, deixando uma vacância que irá ser preenchida com captura e/ou decaimento de outros elétrons. Esse rearranjo atômico ocorre com emissão de fótons cuja energia é característica do material, e permite sua identificação e a medida da quantidade desse elemento presente na amostra. O estudo de materiais por essa técnica denomina-se espectroscopia por fluorescência e é uma técnica tradicionalmente realizada com aparelhos de raios X. Esse processo tradicional tem o inconveniente de necessitar uma aparelhagem difícil de ser transportada e de ter a energia do fóton limitada a 60 ou 70 keV tanto devido ao custo de fontes de tensão de alta voltagem como devido à dificuldade de obtenção de linhas intensas acima do K-alfa do tungstênio.

       A possibilidade de estudo de materiais com radiação gama permite a investigação de elementos de maior número atômico, além da possibilidade de se construir equipamentos portáteis, tornando o processo atraente, mesmo se considerados os problemas devido à baixa intensidade das fontes disponíveis.